Mesmo diante da pandemia e da crise mundial, o agronegócio continua firme, mantendo o protagonismo na recuperação econômica do Brasil.

Prova disso é que, mesmo com dificuldades de escoamento de produção devido à fatores como a escassez de voos para o exterior, assunto que já tratei em outro artigo, as exportações se mantém em ritmo acelerado.

Segundo o governo federal, durante as três primeiras semanas de junho foram embarcadas quase 9,4 milhões de toneladas de soja, número superior ao volume total de todo o mês de junho do ano passado. Durante o mesmo período, o açúcar também foi destaque, com 2,12 milhões de toneladas exportadas, aumento de quase 40% se comparado com a totalidade de junho de 2019.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Já nos cinco primeiros meses do ano, de acordo com as informações do Ministério da Economia com dados compilados pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), as exportações registraram alta de 15,3%, em comparação ao mesmo período do ano passado. Foram embarcados 86,8 milhões de toneladas, com movimentação total de US$ 42 bilhões, alta de 7,9%.

Sobre o destino dessas transações, houve aumento de embarques para a Ásia, com destaque para a China, que representou 39,3% das exportações. Entre os produtos se destacam a soja, farelo de soja, carne bovina e de frango. 

As boas notícias não param por aí!

De acordo com a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a safra de grãos de 2020 pode chegar a 251 milhões de toneladas. A soja deve liderar, com 121 milhões de toneladas, aumento de quase 7% se comparado com a última colheita.

Ainda nesse cenário positivo, vale lembrar que o PIB (Produto Interno Bruto) do agronegócio registrou alta de 3,3% no primeiro trimestre deste ano.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

O que contribui para essa aceleração?

O aumento da área plantada e a presença cada vez mais ativa da tecnologia no campo e na concessão de crédito – fundamental para que o produtor possa ter dinheiro para investir na safra -, tem sido fatores que sustentam esse crescimento e mantém o agro como protagonista na recuperação econômica do Brasil.

Já a exportação tem se favorecido com a desvalorização do real perante o dólar e outras moedas. A compra de nossa produção se torna mais atrativa para outros países, aumentando consideravelmente nossos números.

O agro mostra mais uma vez que representa toda a força e garra do homem do campo, que não para, que não desiste, não só para levar sustento para a família, como para alimentar milhões de pessoas do Brasil e do mundo!