O agronegócio do Brasil segue a todo vapor! Como já contei em outro artigo, recordes de produção estão sendo registrados praticamente em todo o país. Mas o que motiva esse crescimento contínuo do agro mesmo em tempos de crise? A resposta é simples: aumento da área plantada, emprego da tecnologia no campo e o acesso ao crédito. Assuntos que vamos tratar em uma série de três artigos.

Hoje quero debater sobre o aumento da área plantada.

O crescimento da produção

Pela décima safra consecutiva, o Brasil apresenta um aumento da sua área plantada. As projeções do começo do ano, que já eram positivas, foram revistas entre maio e junho de 2020 e os índices subiram ainda mais.

Segundo dados do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), feito pelo IBGE no mês de junho, a área total plantada no Brasil foi de 63,2 milhões de hectares em 2019 para 64,5 milhões de hectares em 2020, um aumento total de 2.2%.

Esse crescimento está presente em absolutamente todas regiões do país, com destaque para o Norte que aumentou sua área plantada em 4.6%.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Dominando quase a totalidade da área plantada, a soja, o milho e o arroz representam atualmente 87,2% da área a ser colhida.

Como essa evolução é possível?

Estimulados pelo clima que beneficiou as lavouras de soja, – com exceção do Rio Grande do Sul que sofreu uma forte estiagem no início do ano -, e pelos bons preços da cultura, os produtores de todo Brasil ampliaram suas áreas de plantio.

Aumentar a área não é só uma questão geográfica. E, nesse sentido, temos fatores que têm atuação direta nesse crescimento:

– Técnicas mais eficientes – Uso de métodos como a calagem, para regular a acidez dos solos de regiões como o Centro-Oeste brasileiro, vem fazendo com que novas áreas possam ser agregadas às atuais.

Também destacamos o método SPD (Sistema de Plantio Direto) para o manejo da terra, que reduz os custos com a preparação da terra, evitando a compactação do solo, a erosão e a perda de nutrientes devido ao arrasto.

– Aumento nas vendas –  A lucratividade é um dos principais combustíveis que incentiva o produtor a investir mais na ampliação dos negócios. Apesar das adversidades que o agro passa em alguns momentos, os números do governo mostram constante aumento nos mercados interno e externo. Para termos uma ideia, as exportações de 2019 chegaram a US$ 96,8 bilhões. Vender mais, muitas vezes, significa ter novos caminhos para aumentar a produção e desperta o desejo de ir além. No Rio Grande do Sul, por exemplo o  mercado está favorável. A saca de 60 kg de milho tem sido vendida a R$ 53,00, ou seja, aumento de 28% se comparado com o mesmo período de 2019.

– Automatização da produção – Com a tecnologia de precisão é possível, por exemplo, fazer a aplicação pontual e inteligente de fertilizantes apenas em áreas onde são mais necessários, através de leituras automáticas da fertilidade do solo.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

O Brasil é abençoado por um clima favorável, mas é o empurrão da tecnologia, que atua em diversas frentes, que permite que ele cresça cada vez mais. E ela contribui para toda a cadeia de desenvolvimento, assunto que vamos tratar no artigo da próxima semana. Até lá!