Com a maior safra de toda série histórica, iniciada em 1975, o Brasil deve colher quase 250 milhões de toneladas de grãos em 2020.

E mais do que apenas aumentar a área plantada, como falei no último artigo, as plantações estão mais efetivas, fazendo com que o produtor consiga colher maiores quantidades de sacas por hectare. O que torna isso possível? A presença cada vez maior da tecnologia no campo.

Tecnologia no campo

Segundo dados do Levantamento Sistemático de Produção Agrícola (LSPA), feito pelo IBGE, entre a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas, o Brasil deve produzir em 2020 um total de 247,4 milhões de toneladas de grãos, um aumento de 2,5% em comparação ao ano passado. Esse valor ultrapassa o aumento de 2,2% da área plantada, ou seja, além da expansão da área, temos lavouras mais produtivas e, talvez o mais importante, com menos perda.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

E isso só é possível graças aos benefícios que a tecnologia traz para a agricultura.

A agricultura de precisão vem sendo um destaque no crescimento da produção. Ela permite maior rentabilidade através do mapeamento e monitoramento de suas áreas, usando tecnologias como satélites e sensores ópticos para otimizar o manejo das culturas. Através dela, o produtor tem um maior potencial de tomada de decisão, entendendo quais áreas apresentam problemas e precisam de maior atenção, focando, por exemplo, o uso de fertilizantes onde são mais necessários.

Com o uso desses recursos, toda a cadeia do agro pode coletar mais dados que permitem um maior entendimento do campo. Assim, decisões podem ser tomadas baseadas em informações, melhorando a gestão das lavouras, reduzindo custos e desperdícios e aprimorando a sustentabilidade das produções.

Os equipamentos autônomos são outro fator que permitem a escala da produtividade. Maquinários guiados por GPS podem ser comandados à distância, otimizando o uso de mão de obra e até mesmo desempenhando funções durante 24 horas na lavoura, com menos riscos de acidente e otimização do uso de insumos. A baixa cobertura de conexão no Brasil dificulta um pouco a implementação de recursos como esse em algumas regiões, mas eles vem se tornando cada vez mais comuns.

Até mesmo nos níveis mais iniciais da plantação, a tecnologia é transformadora. A biotecnologia trabalha no melhoramento genético das sementes, criando plantas que serão mais resistentes contra pragas e até mesmo mais tolerantes a fatores naturais como a seca. Esse é um dos principais fatores que permitiu o crescimento tão expressivo da soja brasileira, atualmente responsável por metade de toda nossa produção de grãos.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Crescimento contínuo

Tudo está a favor da produção brasileira. Relações de exportação estão se intensificando cada vez mais, com a alta do dólar os preços dos produtos brasileiros estão atrativos para o mercado externo e o medo da insegurança alimentar está fazendo com que os países estrangeiros antecipem os embarques para evitar problemas logísticos.

A presença cada vez maior da tecnologia no campo faz com que consigamos não só suprir essa demanda internacional, como aproveitar o bom momento para expandir o agro, atingindo níveis de produção nunca vistos.

E é claro, para que isso seja possível, a primeira coisa que o produtor precisa é de recursos para poder produzir. Mesmo nesse ponto, a tecnologia é essencial. Através da análise da capacidade real de produção de uma lavoura, distribuidores podem fazer negociações mais precisas e oferecer crédito justo para seus clientes. Mas esse é um assunto que explorarei mais no próximo artigo. Nos vemos lá!