TerraMagna Logo
Portal do
produtor rural
Empresas de insumos agrícolas são a conexão necessária entre produtividade e rentabilidade que o produtor precisa.

Empresas de insumos agrícolas: conheça as 10 melhores

As empresas de insumos agrícolas passaram, nos últimos anos, por uma completa revolução. 

Sem dúvidas, esse foi um dos fatos mais importantes na economia do Brasil. 

A prova disso é que inúmeras empresas do ramo conseguiram se fortalecer no mercado, apesar da pandemia de covid-19.

De acordo com pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria, o PIB cresceu 8,36% em 2021.

Há uma relação específica entre o bom desempenho do PIB e o desempenho do agronegócio em 2021; o setor alcançou uma participação de 27,4%, a maior desde 2004 (quando foi de 27,53%).

O destaque são os segmentos primários e de insumos, com um crescimento de 17,52% e 52,63%, respectivamente.

A seguir, mostraremos quais são as empresas de insumos agrícolas que têm marcado presença, contribuindo para esse balanço positivo da economia brasileira.

Antes de tudo, fica a pergunta: o que são esses insumos comercializados pelas empresas agrícolas?

Empresas de insumos agrícolas: o que são insumos e qual é a sua importância?

Os insumos agrícolas são todos os elementos necessários para a produção de um produto ou serviço usado no campo. 

Eles são essenciais, pois auxiliam na velocidade e na qualidade de uma lavoura!

Muitas pessoas acham que os insumos são apenas defensivos, mas não são. 

Em razão de suas origens e classes variadas, podem ser controladores de pragas, fertilizantes, equipamentos, defensivos, entre outros. 

É importante escolher com cuidado o insumo e a empresa que o fabrica. 

Quais são as melhores empresas de insumos agrícolas do mercado?

Todo ano, a revista Forbes publica um ranking das empresas que mais se destacaram no meio do agronegócio.

Para isso, foram selecionados holdings e cooperativas com faturamento aproximado de R$ 1 bilhão só em 2020.

Do mesmo modo, analisa-se o grau de atuação das empresas, mesmo em atividades indiretamente ligadas ao agronegócio.

Em contrapartida, houve mudanças também na classificação e nos nichos de atuação das empresas.

Ocasionalmente, empresas que trabalham com etanol e biocombustíveis passaram ao segmento de agroenergia.

Os fertilizantes e defensivos, por seu turno, estão no grupo da agroquímica.  

Para sua elaboração, a Lista Forbes Agro 100 teve acesso à base de informações e demonstrativos financeiros das empresas, bem como aos dados compilados pela agência Standard & Poor’s.

Como resultado, o trabalho de pesquisa e análise de dados resultou em uma lista que contém os 100 maiores players do setor.

Segundo essa pesquisa, as cinco maiores empresas de insumos agrícolas são:

1) JBS

Setor: alimentos e bebidas

Fundada em 1953, em Anápolis (GO)

É considerada a maior empresa de insumos agrícolas no nicho de alimentos e bebidas e a segunda maior empresa do setor de alimentos no ranking mundial.

Dispõe de aproximadamente 400 unidades de produção, divididas em 15 países dos cinco continentes. A sua atividade já ultrapassou o tradicional fornecimento de carnes bovina, suína e de aves.

2) Raízen Energia

Setor: agroenergia

Fundada em 2011, em São Paulo (SP)

Atualmente, é a principal empresa de insumos agrícolas do país, fabricante de etanol extraído da cana-de-açúcar.

Além disso, é a maior exportadora individual da cana-de-açúcar para o comércio internacional.

Nesse meio tempo, a empresa produz 1 gigawatt de energia elétrica a partir do bagaço da cana.

3) Cosan

Setor: agroenergia

Fundada em 1936, em Piracicaba (SP)

O grupo Cosan é um dos grandes nomes do setor de agroenergia do Brasil devido à sua produção e exportação de etanol e açúcar, assim como por causa da geração de energia limpa, ao utilizar o bagaço da cana.

Atua também oferecendo serviços de logística para exportadores de granéis sólidos, como açúcar, milho, soja, café, feijão e farelo de soja.

4) Marfrig Global Foods

Setor: alimentos e bebidas

Fundada em 2000, em São Paulo (SP)

Com a capacidade de abater cerca de 31,2 mil bois e 6.500 ovelhas por dia, a Marfrig se consolida como a segunda maior empresa no ramo de alimentos e bebidas.

Ela está distribuída em 28 unidades operacionais só na América do Sul e oito nos Estados Unidos.

5) Cargill

Setor: alimentos e bebidas

Fundada em 1865, em Conover, no estado de Iowa (EUA). Presente no Brasil desde 1965.

A empresa que surgiu a partir de um armazém para grãos, que cresceu à medida que os anos passaram.

Posteriormente, expandiu suas atividades para outras commodities.

Atualmente, a gigantesca de capital fechado ainda continua sob o controle da família fundadora, embora agora esteja atuando nas áreas de alimentos, energia e logística.

Em síntese, as cinco maiores empresas do setor do agronegócio no Brasil, segundo a lista Forbes, são:

  • 3 do setor de alimentos e bebidas;
  • 2 do setor de agroenergia.

Um resultado, vale dizer, que não reflete a riqueza do nosso mercado nem a diversidade que o agronegócio brasileiro oferece.

Nesse sentido, decidimos fazer a nossa própria lista, com base no levantamento feito pela revista.

Sobretudo, nomeando, desta vez, as 10 empresas que mais se destacaram em seus setores de atuação.  

Os setores são:

  • cooperativas;
  • alimentos e bebidas;
  • agroenergia;
  • trading e comércio;
  • madeira, celulose e papel;
  • agroquímica;
  • agromecânica;
  • agropecuária.

Ficou curioso?

Continua com a gente!

Lista Agro10: as 10 melhores empresas de insumos agrícolas do setor 

1. Coamo (15ª do ranking Forbes: Empresas de Insumos Agrícolas)

Setor: cooperativas

Fundação: 1970, em Campo Mourão (PR)

Foi fundada em 28 de novembro de 1970 por 79 agricultores em Campo Mourão, na região centro-oeste do estado do Paraná.

Atualmente, a Coamo conta com 110 unidades localizadas em 71 municípios nos estados do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul, sobretudo para recebimento da produção agrícola dos mais de 29 mil associados.

O principal produto é a soja, seguida por milho, trigo e café.

Ademais, a Coamo dispõe de um terminal marítimo em Paranaguá, além de dois parques industriais, no Paraná e no Mato Grosso do Sul, onde esmaga soja, produz gorduras vegetais, torra e mói café, mói trigo e fia algodão.

2. JBS (1ª do ranking Forbes: Empresas de Insumos Agrícolas)

Setor: alimentos e bebidas

Fundação: 1953, em Anápolis (GO)

Considerada a maior empresa de alimentos e bebidas e a segunda maior empresa do setor de alimentos no ranking mundial.

Com aproximadamente 400 unidades de produção, está dividida em 15 países dos cinco continentes. A sua atividade já ultrapassou o tradicional fornecimento de carnes bovina, suína e de aves.

Dessa forma, é a maior companhia brasileira e a maior do setor privado do país em níveis de faturamento.

Decidiu diversificar a sua receita, investindo em negócios de couro, biodiesel, higiene pessoal e limpeza, além de soluções em gestão de resíduos sólidos e embalagens metálicas.

Por fim, recentemente, entrou no ramo dos alimentos alternativos, investindo em proteína vegetal.

 

3. Raízen Energia (2ª do ranking Forbes: Empresas de Insumos Agrícolas)

Setor: agroenergia

Fundação: 2011, em São Paulo (SP)

A Raízen surgiu como uma joint venture entre a Cosan e a Shell do Brasil.

Atualmente, é a principal fabricante de etanol extraído da cana-de-açúcar do país e a maior exportadora individual da cana-de-açúcar para o mercado internacional.

Nesse meio tempo, a empresa produz 1 gigawatt de energia elétrica a partir do bagaço da cana.

Os resultados mais recentes foram beneficiados pela alta dos preços das commodities e da energia.

Dispõe de cerca de 7 mil postos de serviço da marca Shell, 65 terminais de distribuição e 65 aeroportos.

A Raízen conta, ainda, com uma rede de distribuição de produção gigantesca e 26 unidades de produção.

4. Cofco International (10ª do ranking Forbes: Empresas de Insumos Agrícolas)

Setor: trading e comércio

Fundação: 1949, em Pequim (China). Está no Brasil desde 1974.

A Cofco foi, durante muito tempo, a única estatal chinesa a trabalhar com importação e exportação de insumos agrícolas. Foi fundada em 1949, logo após a revolução comunista da China.

Atualmente, a Cofco é uma das maiores referências dos tradings do mundo. Só em 2019, a empresa chegou a transportar 106 milhões de toneladas de soja, grãos, açúcar, algodão e café.

Em 1974, após o restabelecimento diplomático entre o Brasil e a China, a empresa iniciou suas atividades comprando a soja brasileira.

Nesse meio tempo, vem ampliando suas atividades no Brasil e seus investimentos em armazenagem e processamento de grãos.

5. Suzano (11ª do ranking Forbes: Empresas de Insumos Agrícolas)

Setor: madeira, celulose e papel

Fundação: 1924, em São Paulo (SP)

Devido à alta das commodities no mercado internacional e à apreciação do dólar em detrimento do real, a Suzano vem se destacando e se consolidando cada vez mais como a maior empresa de celulose do Brasil.

Conforme os dados sucessivos de bons resultados em tempo recorde, divulgados pela companhia, seus custos de produção estão entre os menores do mundo.

Como resultado, a companhia vem mantendo uma forte geração de caixa mesmo em períodos de baixa das cotações internacionais.

Só este ano, a Suzano adquiriu três plataformas digitais de mídia.

Além disso, obteve um sucesso na Bolsa de Valores: as ações da empresa cresceram 111,91% só no ano passado.

6. Yara Brasil (16ª do ranking Forbes: Empresas de Insumos Agrícolas)

Setor: agroquímica

Fundação: 1905, em Notodden (Noruega). Está no Brasil desde os anos 1960.

Fundada em 1905, na Noruega, como subsidiária da companhia energética Norsk Hydro, a Yara foi criada para produzir e comercializar fertilizantes à base de nitrogênio, haja vista que o processo de fixação consome muita eletricidade.

O país nórdico conta com um grande potencial hidrelétrico na geração de energia.  

Logo depois, a empresa expandiu os horizontes investindo em petróleo e mineração, bem como ampliou a sua cobertura geográfica até Oriente Médio e China, por meio de parceiras.

Em 2004, a Yara se tornou uma empresa independente, abrindo ações na bolsa de Oslo.

 

7. Jacto (89ª do ranking Forbes: Empresas de Insumos Agrícolas)

Setor: agromecânica

Fundação: 1948, em Pompeia (SP)

Empresa criada pelo empreendedor japonês Shunji Nishimura, que emigrou para o Brasil em 1932, com 21 anos de idade.

O embrião do que seria hoje a Jacto surgiu de uma pequena oficina de consertos.

Logo depois, se especializou em pulverizadores e lançou, finalmente, um produto próprio.

Atualmente, a linha de pulverizadores, plantadeiras e colheitadeiras para as culturas de soja, milho, cana e café é bem conhecida no setor.

A Jacto passou a investir, também, no monitoramento remoto dos equipamentos.

O grupo possui 15 fábricas, das quais uma está na Argentina e outra, na Tailândia.

8. Agrofel (69ª do ranking Forbes: Empresas de Insumos Agrícolas)

Setor: agropecuária

Fundação: 1977, em Palmeira das Missões (RS)

A Agrofel foi fundada em 16 de junho de 1977, na cidade de Palmeira das Missões, Rio Grande do Sul.

É especializada na venda de sementes, fertilizantes, nutrição vegetal e defensivos agrícolas.

Também presta serviços de recebimento, compra, venda, troca e armazenagem de grãos.

Posteriormente, em 2019, a Agrofel vendeu 30% de seu capital para a Bunge.

Atualmente, a companhia possui cerca de 40 unidades de atendimento no Rio Grande do Sul.

 

9. Aurora (17ª do ranking Forbes: Empresas de Insumos Agrícolas)

Setor: cooperativas

Fundação: 1969, em Chapecó (SC)

Criada em 1969, era formada por apenas oito cooperativas do oeste de Santa Catarina.

A princípio, tinha o objetivo de melhorar as condições de comercialização de grãos e conservar, por meio da compra de um frigorífico, a qualidade da carne de porcos produzida.

Atualmente, Aurora se tornou uma das maiores e tradicionais cooperativas do país, líder na produção de alimentos, que dispõe de um conglomerado de produção e exportação de grãos.

Dessa forma, são 11 cooperativas associadas, com unidades em Santa Catarina, no Paraná, no Rio Grande do Sul e no Mato Grosso do Sul.

10. Agrogalaxy (66ª do ranking Forbes: Empresas de Insumos Agrícolas)

Setor: trading e comércio

Fundação: 2016, em São Paulo (SP)

Considerada uma verdadeira revolução do mercado agro por conciliar inovação e tecnologia no setor.

A Agrogalaxy se trata de uma plataforma que oferece as melhores ferramentas de automação de pesquisas, monitoramento de talhões e serviços de análises. 

Foi fundada em 2016, por meio da aquisição de fundo de private equity.

A Agrogalaxy ganhou corpo em plataformas eletrônicas e físicas para a distribuição de insumos ao agronegócio.

Posteriormente, passou a oferecer serviços também na área de sementes.

Em 2020, a companhia já contava com 108 lojas, 19 silos e algumas unidades para o armazenamento de grãos, assim como uma beneficiadora de sementes e três unidades de sementes de soja.

Atualmente, as suas atividades estão disponíveis em nove estados, sendo cerca de mil cidades já impactadas.

A Agrogalaxy deseja assegurar o máximo na geração de valor no melhoramento de processos de governança, sustentabilidade e produtividade.

Empresas de insumos agrícolas: qual escolher?

Como escolher a melhor empresa de insumos agrícolas, já que são tantas as opções disponíveis?

Ao escolher ou procurar uma, é importante garantir que os insumos fornecidos estejam alinhados com o tipo de produção que deseja realizar. 

Esperamos que essa lista tenha te ajudado!Se você gostou desse conteúdo e quer ficar por dentro de mais informações como essa, converse com nossos especialistas!

Procurando um tema específico?

Gostou do artigo?

Receba gratuitamente conteúdos exclusivos e inéditos por e-mail, feitos pelos especialistas da TerraMagna.

Veja também

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Crédito seguro para o agronegócio

Av. Anchieta, 1078 – Jd Nova America

São José dos Campos – SP

Contato

 (12) 3923.3355

 [email protected]

(65) 9 9639.1505

Acompanhe as novidades