TerraMagna Logo
Portal do
produtor rural
Mosca branca infestando planta

Mosca-branca: prevenção é essencial para proteger a produção

A mosca-branca é considerada uma das pragas mais importantes para a agricultura, sendo disseminada em todo o mundo. 

Especialistas acreditam que a mosca-branca tenha surgido no Oriente Médio, de onde se expandiu por meio do comércio de plantas ornamentais. 

No Brasil, a população do inseto encontrou condições favoráveis para propagar-se amplamente, facilitando a transferência de vírus nativos para a lavoura. 

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) classificou a Bemisia tabaci como uma das pragas de maior risco fitossanitário para o país

Trata-se de um inseto polífago que se alimenta de mais de 600 espécies de plantas, comprometendo cultivos de importância econômica estratégica para o Brasil.  

Entenda mais sobre esse inseto e conheça métodos para a realização de seu controle sob a ótica do manejo integrado de pragas. Boa leitura! 

O que é a mosca-branca?

As moscas-brancas são insetos de pequena dimensão, caracterizadas pela cor
amarelo-pálido e suas asas são recobertas por uma substância com pulverulência branca. 

O inseto pertence à ordem Hemiptera e à família Aleyrodidae, tendo como gênero principal o Bemisia. A espécie mais difundida pelo mundo é a Bemisia tabaci

A classificação dessa espécie é considerada complexa devido a fatores como diversidade genética e similaridade entre exemplares. 

No Brasil, temos a incidência dos biótipos A e B, tendo sido observada também a presença do biótipo Q. Considera-se que o biótipo B é o de maior predominância no Brasil. 

Trata-se de um inseto sugador que pode infestar diversas culturas que possuem interesse econômico, como feijão, algodão, soja, hortaliças, tomate, plantas ornamentais, etc. 

O inseto também pode atacar plantas daninhas, o que contribui para que sua expansão seja ainda mais significativa. 

O dano causado por essa praga pode chegar a comprometer até 100% da produção agrícola

Como a mosca-branca ataca a planta?

A mosca-branca ataca a planta de três formas: ao alimentar-se do vegetal (dano direto), por ser transmissora de vírus ou por causar o desenvolvimento de um fungo (danos indiretos). 

No dano direto, a mosca-branca suga a seiva do vegetal e injeta toxinas que prejudicam seu desenvolvimento sadio.

Podem ser observados fenômenos como a isoporização da polpa (perda de textura), a amarelização das folhas e um processo de maturação desigual dos frutos.  

No dano indireto, a mosca-branca produz uma substância conhecida como honeydew, que é altamente açucarada. 

O excesso dessa substância cria o elemento propício para o desenvolvimento da fumagina, doença causada pelo desenvolvimento de um fungo de coloração escura. 

A fumagina prejudica diretamente a capacidade da planta de fazer a fotossíntese, processo vital para sua sobrevivência e seu crescimento. 

O dano indireto mais relevante causado pela mosca-branca é a transmissão de vírus que causam doenças no vegetal. 

A mosca-branca é vetor de mais de uma centena de vírus, dentre os quais destacamos:

  • o vírus do mosaico-dourado do tomateiro;
  • o vírus do mosaico-dourado do feijoeiro;
  • o vírus do mosaico-comum do algodoeiro;
  • o vírus do mosaico-anão em soja;
  • o vírus do mosaico-crespo em soja. 

Como realizar o controle da mosca-branca?

A utilização excessiva de inseticidas como método exclusivo para o combate de pragas nas lavouras trouxe consequências indesejadas ao longo dos anos.

Como alternativa, foi elaborado o conceito de manejo integrado de pragas (MIP), que consiste na utilização de diferentes métodos de controle que mantêm a população de insetos em um nível equilibrado.

No MIP, é necessário fazer uma avaliação do agroecossistema, analisando em que estágio de desenvolvimento as plantas se encontram e a que condições climáticas estão expostas.

Também é preciso realizar o monitoramento periódico da lavoura para determinar qual é o nível populacional dos insetos que atuam como pragas no sistema.

O objetivo é manter a população de insetos em um nível de equilíbrio

Quando esse nível é ultrapassado, considera-se que temos o nível de controle no qual é preciso promover ações para reduzir a ocorrência de insetos. 

Se essas ações não forem tomadas, ou forem realizadas sem sucesso, a população de insetos pode atingir o nível de dano econômico, causando perdas financeiras ao produtor. 

O monitoramento da mosca-branca deve ser feito durante todo o ciclo da cultura, por inspeções e com o uso de armadilhas adesivas de cor amarela. 

Além de proteger o meio ambiente, o manejo integrado de pragas promove a redução de custos com inseticidas, sendo vantajoso economicamente. 

De acordo com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), na safra 2015/2016, o aumento da incidência da mosca-branca na cultura da soja nos estados de Mato Grosso e Goiás foi responsável por elevar em até 35% os gastos com inseticida

Para evitar esse cenário, é fundamental realizar o monitoramento do inseto e prevenir infestações por meio do emprego de diferentes táticas de controle. 

Confira, a seguir, os métodos culturais, químicos e biológicos que podem ser utilizados para o controle da mosca-branca. 

Controle cultural

O controle cultural consiste na criação de um ambiente desfavorável à instalação do inseto na lavoura. Deve ser implementado de maneira preventiva

O primeiro passo para isso é assegurar-se de plantar mudas sadias, pois, segundo a Embrapa, quanto mais cedo a planta for infectada, maior será o prejuízo para a produção.   

De acordo com estudos da Embrapa Hortaliças, no caso da cultura de tomate, a infecção precoce das mudas reduz a produtividade em 60% dos cultivares suscetíveis ao vírus. 

Outra medida é implantar barreiras vivas para evitar ou reduzir a entrada de insetos na área de cultivo. 

Também é necessário eliminar plantas daninhas hospedeiras da mosca-branca, bem como restos de plantas que possam ser infectadas pela praga. 

Além disso, é possível instalar armadilhas para eliminar os indivíduos adultos da mosca. 

Por exemplo, armadilhas adesivas de cor amarela atraem o inseto e são úteis para realizar seu monitoramento.

Por último, recomenda-se o plantio de cultivares resistentes ao vírus. 

Controle químico

O controle químico é muito utilizado para manter a população de mosca-branca em um nível estável. 

Porém, esse método pode perder eficiência se não houver o emprego de outras formas de controle em paralelo ou se for conduzido de forma equivocada.

O primeiro cuidado a ser observado é a utilização de apenas produtos registrados especificamente para a cultura em que serão aplicados. 

Também é necessário realizar a rotação entre grupos químicos de diferentes modos de ação para evitar o desenvolvimento de resistência aos princípios ativos por seu uso contínuo. 

A utilização de um único inseticida ou seu uso desmedido pode causar a seleção de populações resistentes do inseto, tornando seu controle ainda mais difícil. 

Dentre os grupos químicos utilizados no combate à mosca-branca estão os organofosforados, os piretroides, neonicotinoides, a tiadiazinona e as sulfoxaminas. 

É preciso determinar a fase de desenvolvimento do inseto (ovos, ninfas ou adultos) em predominância na lavoura para realizar a escolha do inseticida efetivo para esse estágio. 

Observar a dosagem recomendada pelo fabricante é uma medida fundamental. 

Não é indicada a aplicação preventiva de inseticida (antes que a população do inseto atinja o nível de controle), pois isso pode reduzir a permanência de seus predadores naturais. 

É indispensável a utilização de equipamentos de proteção individual (EPIs) ao realizar a aplicação, além de levar em conta as condições climáticas no momento da utilização. 

Veja também: EPIs: saiba como usá-los para ter mais segurança no campo

Controle biológico 

O controle biológico pode ser feito pela manutenção de predadores da mosca-branca na lavoura ou pela introdução de seus inimigos naturais no meio.

Dentre os predadores da mosca-branca, podemos citar o ácaro Ambliseius tamatavensis e as joaninhas das espécies Eriopis connexa e Coleomegilla maculata

É necessário empregar estratégias que criem as condições necessárias para a permanência desses organismos nas áreas de cultivo. 

Essas ações incluem o uso de inseticidas seletivos que permitam a sobrevivência desses agentes.  

Outros inimigos da mosca-branca são os parasitoides e os entomopatógenos

Esses organismos podem ser criados em laboratório com a finalidade de serem introduzidos nas lavouras. 

Os entomopatógenos multiplicam-se no organismo do inseto hospedeiro, provocando uma infecção que causa o seu perecimento. 

Entre os fungos entomopatogênicos utilizados para esse fim estão o Beauveria bassiana e o Metarhizium anisopliae.

Já os parasitoides agem no controle da mosca-branca ao realizar parte de seu ciclo no interior do organismo hospedeiro em um processo que culmina com sua morte. 

Alguns dos gêneros de parasitoides utilizados são Encarsia, Eretmocerus e Amitus

Melhoramento genético

Outra forma de combate à mosca-branca é a utilização de organismos geneticamente modificados. 

Como exemplo, temos a iniciativa da Embrapa que desenvolveu o feijão resistente ao vírus do mosaico-dourado transmitido pela mosca-branca. 

Trata-se da cultivar BRS FC401 R, idealizada para ser adotada em associação com técnicas de manejo integrado da mosca-branca e das viroses a ela associadas. 

Dessa forma, os agricultores que se dedicam ao cultivo de feijão contam com mais uma estratégia para evitar perdas em sua produção causadas pelo inseto. 

Conclusão

A realização do controle da mosca-branca é essencial para o sucesso da produção agrícola. 

Para isso, é necessário empregar o manejo integrado de pragas, que preconiza o uso simultâneo de diferentes técnicas de controle.  

Entender como manter a lavoura sadia é fundamental para os produtores agrícolas e para os distribuidores de insumos, que são referência para os agricultores em termos de difusão de produtos e de conhecimento técnico. 

Você sabia que a TerraMagna possui uma linha de crédito rural voltada especialmente para os distribuidores de insumos? 

Por intermédio dela, é possível apresentar CPRs, duplicatas e outros títulos que o distribuidor de insumos recebe do produtor rural e conectá-las com investidores do mercado de capitais. 

Com a ajuda da TerraMagna, os investidores podem “comprar” esses documentos e remunerar o distribuidor à vista. 

Quer saber mais?

Não perca mais seu tempo: converse com nossos especialistas!

Procurando um tema específico?

Gostou do artigo?

Receba gratuitamente conteúdos exclusivos e inéditos por e-mail, feitos pelos especialistas da TerraMagna.

Veja também

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Crédito seguro para o agronegócio

Av. Anchieta, 1078 – Jd Nova America

São José dos Campos – SP

Contato

 (12) 3923.3355

 [email protected]

(65) 9 9639.1505

Acompanhe as novidades