TerraMagna Logo
Portal do
produtor rural
Raizes invadidas por nematoides

Nematoides: acabe com os inimigos invisíveis da sua lavoura

Vários fatores podem causar a redução da produtividade na sua lavoura; entre eles, estão os nematoides.

Trata-se de um verme que pode atacar plantações e se proliferar na água e no solo; além disso, pode ser parasita de animais e insetos.

Neste artigo, vamos apresentar as espécies de nematoides que mais atacam as culturas agrícolas e explicar como fazer o controle desse inimigo das plantas.

O que são nematoides?

Os nematoides são vermes microscópicos capazes de sobreviver em diversos ambientes; eles têm corpos cilíndricos que ficam afilados em direção às extremidades.

Como mencionamos, além de se hospedarem nas plantas, eles também podem ser parasitas de animais; nesse caso, chegam a atingir longos comprimentos, enquanto os parasitas de plantas medem de 0,3 a 3 milímetros. 

Nos solos, várias espécies de nematoides podem se manifestar, e uma grande parcela desses organismos se alimenta diretamente das raízes de plantas, muitas vezes causando doenças.

Os nematoides que atacam as plantações são conhecidos como fitonematoides e são classificados como endoparasitas.

Isso significa que eles ficam grande parte do seu ciclo de vida dentro das raízes. Há também os ectoparasitas, que ficam na parte externa da raiz. 

Os nematoides usam um estilete para se alimentar das raízes; eles o inserem nas células para remover os nutrientes, impedindo a absorção de água e nutrientes pelas plantas.

Tipos de nematoides que afetam a agricultura

Existem diversos tipos de nematoides, e cada um afeta as plantações de uma maneira. Apresentaremos, a seguir, os principais.

Meloidogyne incognita 

Os meloidogynes são os nematoides das galhas; as fêmeas desse tipo têm um corpo globoso e depositam os ovos em um aglomerado, em apenas um local da raiz.

Ainda dentro do ovo ocorre a fase juvenil, de qual evolui para pré-parasita e, por fim, sai no solo à procura de raízes, já no estágio infectante.

Quando encontram raízes, os nematoides entram nelas e injetam secreções que favorecem a modificação de algumas células, formando um grupo de células gigantes. 

Os nematoides das galhas podem causar os seguintes sintomas:

  • tamanho desigual das plantas;
  • murchamento;
  • desfolha;
  • redução na produção.

Alguns desses sintomas podem acontecer por outras causas, isso também para os demais tipos de nematoides. Por isso, é necessário o diagnóstico correto do agente.

Pratylenchus

O Pratylenchus é um gênero de nematoides, também chamado de nematoides das lesões radiculares; eles são magros e com um movimento intenso.

Enquanto se alimenta das plantas nas quais está hospedado, esse tipo de nematoide causa lesões nas raízes e injeta secreções no interior das células, com substâncias tóxicas. 

Assim, as células acabam morrendo após a saída do nematoide, ocorrendo, então, as lesões necróticas. Alguns sintomas causados pelo ataque desse nematoide são:

  • redução do sistema da raiz das plantas;
  • redução na produção;
  • podem ocorrer em reboleiras.

O Pratylenchus brachyurus pode afetar muitas espécies de plantas; segundo a Embrapa, esse verme pode causar perdas de até 50% na produtividade de grãos de soja.

Além da soja, ela pode afetar outras plantações, como arroz, cana-de-açúcar, trigo, milho, sorgo, algodão, entre outras. 

Heterodera

Também conhecido como nematoide de cisto da soja, o gênero Heterodera (Heterodera glycines) tem grande impacto no Brasil. 

Esse nome popular revela muito sobre esse nematoide: ele tem a soja como a principal hospedeira e pode causar muitos prejuízos nessa cultura. Quando entra nas raízes da planta, libera células nutridoras e se fixa na raiz. 

Os cistos desse verme têm uma parede muito resistente e podem ser dispersos no solo; enquanto isso, os ovos podem sobreviver nessa estrutura por muito tempo, o que acaba dificultando a tomada de uma medida de manejo.

Alguns sintomas causados por esses nematoides são:

  • plantas com porte reduzido;
  • nanismo e amarelamento;
  • morte das plantas.

Rotylenchulus 

Uma espécie desse nematoide conhecida no Brasil é o R. reniformis, também nomeado de nematoide reniforme. Ele é um dos responsáveis por ter causado grandes prejuízos na cultura do algodão.

Ela é responsável por causar a redução do tamanho das plantas e causar clorose internerval, o que dá um aspecto estriado para a planta.

Como identificar nematoides nas plantações

Para saber que espécie de nematoide está causando doença na sua plantação, primeiramente, é preciso fazer uma análise de amostras de solo e raízes. 

Ela pode ser feita tanto na fase de pré-plantio quanto nas fases seguintes de desenvolvimento da cultura. Assim, é possível reduzir os prejuízos, amenizar as perdas ou se precaver. 

Além disso, outras recomendações são:

  • coletar, em média, 15-20 subamostras por hectare em profundidade de 20-30 centímetros ao redor das plantas;
  • após a coleta, homogeneizar as subamostras em sacos de polietileno, formando amostras compostas de cerca de 400-500 gramas de solo homogeneizado e
    200-300 gramas de raízes.

A amostra deve ser identificada e enviada para um laboratório, e a ação de combate contra o organismo só deve ser realizada com um diagnóstico em mãos. 

Afinal, algumas espécies precisam de ações específicas para serem tratadas, como a Meloidogyne.

Como fazer o controle de nematoides?

O controle de nematoides é uma tarefa difícil, e alguns deles são quase impossíveis de serem exterminados completamente. 

No geral, o agricultor precisa conviver com a praga, de modo que é importante desenvolver algumas práticas de controle.

Os métodos convencionais de controle têm o objetivo de reduzir ou manter a população dos nematoides em níveis baixos para que não causem perdas econômicas. 

Os métodos mais conhecidos são:

Controle preventivo

Como diz um velho ditado: melhor prevenir do que remediar. Nesse caso, é exatamente assim; a prevenção é a melhor forma de controle de nematoides. O produtor deve:

  • usar mudas e sementes saudáveis;
  • evitar plantar em solos contaminados;
  • manter as plantações limpas, sem restos de culturas ou plantas daninhas;
  • evitar o plantio em épocas de temperaturas elevadas e chuvas.

O ideal é que o plantio ocorra em épocas secas e frias; além disso, a limpeza de ferramentas e maquinários agrícolas também é uma medida preventiva para evitar a entrada de nematoides nas culturas.

Rotação de culturas

A rotação com culturas não hospedeiras é uma das práticas mais importantes para reduzir nematoides em uma área. 

Culturas que não hospedam um tipo de praga têm como objetivo erradicar total ou parcialmente esses organismos pela falta de nutrientes que eles buscam.

Assim, em áreas infestadas por M. incognita, por exemplo, é indicada a rotação com amendoim, braquiárias, crotalária e mamona. 

Para o controle do nematoide do cisto da soja, deve-se utilizar culturas como arroz, algodão, sorgo, mamona, milho e girassol.

Plantas antagonistas

As plantas antagonistas são aquelas capazes de evitar o crescimento de algumas espécies de nematoides por meio de inibição, repelência ou liberação de substâncias tóxicas. 

Alguns exemplos de plantas antagonistas que têm sucesso no controle de nematoides são:

crotalárias, C. juncea, C. breviflora, cravo-de-defunto e mucunas.

Cultivares resistentes

O uso de cultivares resistentes, junto com outras práticas, ajuda muito no controle dos nematoides. 

Entretanto, quando são plantados com muita frequência, deixam de ser efetivos depois de alguns anos, pois os nematoides têm grande variabilidade e podem se adaptar a esse controle.

Para reduzir a pressão de seleção sobre a população nematoide, as variedades resistentes devem ser usadas em programas de rotação de culturas que incluem variedades suscetíveis e também plantas não hospedeiras.

Uso de defensivos

No Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), existem alguns defensivos registrados para o manejo de fitonematoides. 

Muitos são usados no tratamento de sementes, para proteger as culturas logo no início do seu desenvolvimento; isso diminui perdas de produção a longo prazo.

No entanto, até o momento, não há evidências científicas de nematicidas com potencial de reduzir completamente as pragas na área, de modo a eliminar a necessidade da rotação de culturas. 

Vale ressaltar que não aplicar essa técnica ou aplicá-la incorretamente pode inviabilizar o cultivo de determinadas culturas por alguns anos.

Remoção de restos culturais

A remoção das raízes infectadas após a colheita é outra prática que contribui para a redução dos níveis populacionais antes do plantio seguinte

Esses restos de raízes devem ser retirados da área, amontoados e secos para serem queimados.

A manutenção e a incorporação de restos de raízes infectadas por nematoides na área cultivada podem inviabilizar os métodos usuais de controle, devido ao fato de ficarem alojados nesses tecidos, protegendo-se da ação de nematicidas e outros agentes físicos e biológicos de controle.

Mantenha os nematoides longe das suas plantações

Neste artigo, você aprendeu que os nematoides são vermes e grandes inimigos ocultos da lavoura; por serem microscópicos, não são visíveis a olho nu. 

Nesse caso, o produtor só percebe danos causados por essas pragas no momento do crescimento das plantas.

Segundo a Sociedade Brasileira de Nematologia (SBN), os nematoides causam prejuízos que podem chegar a R$ 35 bilhões por ano, ou seja, é preciso manter esse verme longe!

Se você quer auxílio nessa jornada de manter os nematoides e outras pragas longe, e manter a produtividade em campo, a TerraMagna pode te ajudar com isso! 

Nossa tecnologia permite conceder crédito para distribuidores e produtores de forma mais rápida e com taxas mais justas assim, você pode obter recursos para investir nos seus cultivos!

Quer saber mais?

Converse com nossos especialistas!

Procurando um tema específico?

Gostou do artigo?

Receba gratuitamente conteúdos exclusivos e inéditos por e-mail, feitos pelos especialistas da TerraMagna.

Veja também

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Crédito seguro para o agronegócio

Av. Anchieta, 1078 – Jd Nova America

São José dos Campos – SP

Contato

 (12) 3923.3355

 [email protected]

(65) 9 9639.1505

Acompanhe as novidades