TerraMagna Logo
Portal do
produtor rural
Homem lançando a rede nas aguas representando a piscicultura

Piscicultura: conheça um dos ramos mais promissores do agronegócio

A piscicultura é um ramo promissor do agronegócio, devido ao forte potencial de geração de renda em várias regiões do Brasil. 

Nossa enorme faixa litorânea e os abundantes recursos hídricos do território brasileiro são bons diferenciais.

Muitos produtores têm interesse em ingressar no ramo; por isso, indicamos estudar o modelo de negócio e os procedimentos, para que a criação de peixes seja produtiva e lucrativa. O cenário é bom para quem tem interesse!

De acordo com levantamento da Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR), o Brasil produziu mais de 800 mil toneladas de peixe em 2020

O resultado mostra um crescimento de 38,7% diante do volume registrado em 2014, quando foram produzidas quase 600 mil toneladas. A maior parte é consumida no mercado interno nacional, e apenas 1% se destina à exportação.

Neste artigo, falaremos tudo o que você precisa saber sobre a piscicultura antes de botar a mão na massa e começar. Vamos lá!

O que é piscicultura?

Trata-se do cultivo de peixes, uma atividade praticada há muito tempo. Existem registros de que os chineses já cultivavam vários séculos antes de nossa era e de que os egípcios já criavam a tilápia-do-nilo há 4000 anos.

No Brasil, a maior parte das atividades relacionadas à piscicultura ocorre em propriedades rurais, em fazendas com açudes ou represas.

Assim, as atividades se desenvolvem com pouca mão de obra. Vale destacar que a piscicultura não conflita com as outras atividades desenvolvidas nas fazendas. 

Pelo contrário, é um complemento muito bom, visto que tem o ponto positivo de reciclar subprodutos e resíduos, transformando-os em proteína animal.

O desenvolvimento da piscicultura brasileira teve como base as espécies exóticas (por exemplo, a tilápia), que se reproduzem em tanques e permitem o cultivo controlado.

Elas são as espécies mais indicadas para criação em represas e açudes das propriedades rurais.

Desse modo, as propriedades agrícolas providas de açudes representam um potencial enorme para a produção perene de peixe de alta qualidade e a custos baixos.

Qual é a importância da piscicultura?

Em 2020, o Brasil foi o décimo terceiro maior produtor mundial de peixes; quando se trata de peixes produzidos em água doce, o país sobe para a oitava colocação no ranking em virtude da produção na região amazônica

A piscicultura brasileira responde pela quarta maior produção global de tilápia; essa espécie representa 60% dos peixes produzidos nacionalmente.

Ou seja, é evidente que a criação de peixes funciona como impulsionadora do desenvolvimento socioeconômico ao mesmo tempo que alavanca a produção de alimentos de alto valor nutritivo.

Atualmente, a piscicultura gera cerca de 1 milhão de empregos no Brasil, direta ou indiretamente.

A atividade tem um grande potencial de crescimento no país, podendo se tornar uma fonte relevante de proteína diante da crescente demanda por alimentos no mundo. 

Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), existem mais de 11 mil rios, riachos e córregos registrados no Brasil. Além disso, país detém uma das maiores faixas costeiras do mundo, com mais de 7,4 mil quilômetros. 

A piscicultura é realizada, inclusive, no semiárido, podendo estar associada ao cultivo de outros alimentos.

Assim, essa prática proporciona um elevado nível de qualidade do peixe para consumo humano.

Possibilita, também, a criação de espécies que estão ameaçadas de extinção, contribuindo para a preservação da diversidade da fauna e gerando renda ao pequeno e médio produtor rural.

Quais são os tipos de produção da piscicultura?

São três os tipos de produção: extensivo, semi-intensivo e intensivo. 

O sistema extensivo refere-se à prática tradicional e rudimentar, representada pela técnica de cerco.

Por exemplo, em áreas destinadas a outras finalidades, como armazenamento de água, bebedouro de animais, etc., a população é composta principalmente de espécies nativas da região. 

A alimentação dos peixes depende apenas do que é produzido naturalmente na água, fertilizada pelos próprios animais que ocupam o local. O investimento é baixo, assim como a produtividade por área.

No cultivo semi-intensivo, existe um condicionamento e uma influência no cultivo, por meio de suplementação alimentar e tratamento químico da água.

O sistema intensivo, por sua vez, apresenta uma produção mais controlada e sistematizada, que busca a otimização da criação e o melhor retorno produtivo. 

O cultivo é feito em tanques-rede, estruturas submersas feitas de telas de arame revestido de PVC, para confinamento da criação em açudes ou represas. 

Entre as espécies mais cultivadas nesse processo estão o salmão, o atum e a tilápia.

A prática intensiva é a que mais cresce nos países em desenvolvimento atualmente, pois permite a livre e constante circulação da água, que mantém o oxigênio necessário à criação, facilitando a retirada e o manejo dos peixes.

Isso diminui os custos com tratamentos de doenças e, além disso, a produtividade é muito superior à de outras técnicas.

Comparando os sistemas intensivo e tradicional, a produtividade do primeiro chega a ser 100 vezes maior, gerando 200 quilos de peixe por m³, contra apenas 2 quilos por m³ do tradicional.

Como começar sua piscicultura?

O primeiro passo para começar sua criação de peixes é escolher um local apropriado; a infraestrutura é a chave para o sucesso do negócio, bem como a qualidade da água e do solo, a topografia do terreno e as características do clima.

Onde posso criar peixes?

O tipo de local escolhido fica a seu critério e do espaço que você tem disponível. É possível instalar sua piscicultura no mar, em açudes, represas, barragens, viveiros ou lagos naturais e artificiais.

É preciso ficar atento aos principais parâmetros de qualidade da água! O local precisa oferecer meios para um bom controle da temperatura de água e dos níveis de oxigênio, gás carbônico, pH, amônia e turbidez.

Assim, você garante a saúde e a reprodução dos peixes e assegura a produtividade!

É importante também instalar uma estrutura adequada de contenção para evitar a fuga de peixes e a entrada de predadores. 

Uma dica: essa contenção deve ser feita em arame galvanizado revestido de polietileno.

Preciso de autorização para desenvolver minha piscicultura?

Esse é outro ponto importante; é preciso regularizar a criação de peixes nos órgãos públicos antes de iniciar a exploração do local para produção.

Em São Paulo, por exemplo, o produtor deve procurar a Companhia Ambiental do Estado para receber o licenciamento ambiental e a outorga da água e fazer registro junto à Secretaria de Agricultura do Ministério da Agricultura.

Ou seja, pesquise quais são as autoridades competentes no seu estado ou região e que documentos devem ser levados para a regularização.

Que tipos de peixes posso criar?

A seleção de espécies de peixes da sua piscicultura também depende de vários fatores. 

Primeiramente, destacamos que elas devem ser oriundas de outros produtores credenciados, com qualidade e ausência de doenças comprovadas.

Depois, a escolha fica a critério das características do peixe. Recomendamos que você procure espécies resistentes, com boa taxa de crescimento e reprodução.

Também vale se informar sobre as preferências do perfil de consumidor para o qual a venda se destina. Algumas das principais raças de peixes indicadas para cultivo em piscicultura são:

Cuidados essenciais para a manutenção da sua piscicultura

Para garantir que sua piscicultura seja produtiva, não basta apenas colocar os peixes em local apropriado; é fundamental manter uma rotina de cuidados básicos com a criação.

Alguns fatores que fazem a diferença e podem ser a chave para melhorar sua produtividade:

  • ração de boa qualidade;
  • alimentação frequente para os peixes;
  • separação dos casais para reprodução de 15 a 30 dias;
  • tanque reservado para as ovas no primeiro mês de vida.

Como se tornar um piscicultor?

Se você que quer iniciar um projeto de piscicultura, o primeiro passo é buscar orientação sobre as normas regulamentadoras da sua região. 

Como mencionamos, a criação de peixes deve ser estruturada de acordo com os órgãos regularizadores do meio ambiente.

Os peixes serão rigorosamente avaliados pela vigilância sanitária e precisam atender a todos os padrões de qualidade exigidos para o consumo. Além disso, listamos a seguir outros pontos em que você precisa ficar de olho.

Infraestrutura

O sucesso do seu negócio vai depender principalmente da escolha do local onde o projeto será desenvolvido. 

Dessa forma, a qualidade da infraestrutura é primordial, e diversos fatores devem ser considerados e analisados antes de sua implantação. 

Os fatores biológicos também são muito importantes; você deverá observar principalmente a água e a qualidade do ambiente. As duas principais alternativas para começar são a construção de um lago artificial ou viveiro.

Espécies

Outro ponto fundamental é saber quais espécies serão cultivadas. Nesse ponto, é preciso se lembrar do consumidor, afinal de contas será ele quem vai movimentar o mercado. 

Mesmo que determinada espécie apresente as características ideais de resistência, crescimento e reprodução, se ela não agradar ao consumidor, talvez você deva repensar. 

Deve-se dar preferência ao cultivo de espécies de peixes que atendam a esse conjunto de requisitos e que façam brilhar os olhos dos clientes. 

As mudas de peixes mais indicadas para entrar na área de piscicultura são pacus, tilápias, carpas-capim, carpas coloridas, carpas-húngaras, curimbatás, dourados, lambaris, piaçus, piracanjubas, entre outras.

Invista na piscicultura para seu negócio

Como você viu ao longo deste artigo, a piscicultura é um grande investimento para você, produtor, e para seus negócios.

O investimento nessa atividade pode ser altamente rentável para quem quer ter fazendas cada vez mais ricas e produtivas. 

Se você deseja auxílio nessa jornada com a piscicultura e com a produtividade em campo, a TerraMagna pode te ajudar com isso! 

Nossa tecnologia permite conceder crédito para distribuidores e produtores de forma mais rápida e com taxas mais justas assim, você pode conseguir obter recursos para investir nos seus objetivos em campo!

Quer saber mais?

Converse com nossos especialistas!

Procurando um tema específico?

Gostou do artigo?

Receba gratuitamente conteúdos exclusivos e inéditos por e-mail, feitos pelos especialistas da TerraMagna.

Veja também

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Crédito seguro para o agronegócio

Av. Anchieta, 1078 – Jd Nova America

São José dos Campos – SP

Contato

 (12) 3923.3355

 [email protected]

(65) 9 9639.1505

Acompanhe as novidades