TerraMagna Logo
Portal do
produtor rural
Maos mostrando um tanto de graos de soja em meio a plantacao de soja

Plantação de soja: aprenda a fazer um manejo eficiente da sua lavoura

A plantação de soja faz do Brasil um dos maiores produtores do insumo, além de ser responsável por boa parte da importação e da exportação do consumo mundial.

A produção desse grão desempenha um papel essencial ao auxiliar e impulsionar o desenvolvimento econômico do país, sendo considerada uma das principais culturas da safra de verão, isso se não for a maior, devido ao seu peso para o mercado nacional.

A princípio, essa representação da cultura da plantação de soja foi impulsionada pela implementação do sistema de plantio direto (SPD).

Isso possibilitou maiores índices de conservação do solo, aumento da produtividade e rentabilidade.

Além disso, incentivou-se a competitividade entre os sistemas de produção e qualidade em agrícola.

Apesar de bem difundida e cultivada em solo brasileiro, de Norte a Sul, a soja (e o seu cultivo) depende de algumas condições especiais, sobretudo clima, ambiente e técnicas de manejo para desenvolver as plantas.

De origem asiática, a soja pertence à família Fabaceae, uma leguminosa parecida com o feijão e a ervilha.

Entretanto, para se desenvolver de maneira saudável, a planta precisa de calor e frio moderado.

Tais condições podem ser oferecidas pelos climas da China e do Japão, países que exportaram inicialmente o cultivo do vegetal.

Dessa forma, em climas mais secos, a planta não costuma se desenvolver.

Em contrapartida, é necessário usar um sistema de irrigação, o que pode deixar o plantio caro.

Nesse sentido, o cuidado também deve se estender ao manejo e ao controle de pragas.

Assim, torna-se essencial o monitoramento de qualquer ação de controle antecipadamente, a fim de que corresponda melhor às necessidades de cada propriedade.

Por outro lado, a tecnologia também é de suma importância, bem como os produtos de combate a doenças da soja.

Logo, a plantação de soja é uma tarefa que exige muita sensibilidade do produtor. Todavia, se realizada corretamente, pode se tornar uma cultura rentável e sustentável.

No entanto, não existe fórmula perfeita; sem os cuidados necessários, a colheita pode estar comprometida, o que pode resultar na perda total ou parcial da safra e na elevação dos valores investidos, mas sem tanto lucro.

Se você tem interesse em saber quais são as melhores técnicas para fazer uma plantação de soja mais eficiente e com altos níveis de produtividade, continue a leitura.

O que é preciso para começar a plantação de soja?

À primeira vista, sem dúvidas, ter atenção à época de plantio é um fator importante para a obtenção de bons resultados.

O cenário positivo depende de inúmeras variações, que vão desde recursos hídricos até a influência solar sobre o biorritmo de desenvolvimento e reprodução das plantas.

Desse modo, é essencial, para um bom desempenho produtivo na lavoura, conhecer que condições climáticas podem favorecer o plantio de soja, considerando que ela é sensível à luz e costuma sofrer com grandes alterações de temperatura, altitude e umidade.

Nesse sentido, a melhor época para as plantações de soja tem correlação com o local e o cultivo escolhido.

Em virtude dessa fotossensibilidade, no Brasil, a semeadura não costuma ser satisfatória para lavouras realizadas antes de 1º de outubro ou depois do dia 20 de dezembro.

Por exemplo, no estado de Goiás – na região Centro-Oeste do país –, o recomendável fica entre os dias 10 de outubro e 15 de dezembro.

Tem-se como referencial a experiência de safras passadas; no mês de novembro, a produtividade dos grãos e a altura aumentam consideravelmente.

Já nas regiões Norte e Nordeste, devem ser avaliados os períodos de chuvas, que variam de estado para estado.

De antemão, a qualidade do solo é um item inegociável para se alcançar bons resultados, de modo que se deve escolher um local adequado juntamente a uma área grande o suficiente para comportar a lavoura.

Contudo, na preparação do terreno, é indispensável usar técnicas que ajudem na remoção dos restos orgânicos e inorgânicos adquiridos de plantações anteriores.

Isso porque eles podem comprometer o desenvolvimento dos grãos da nova safra.

Portanto, ao preparar a terra, o objetivo é simples e direto: simplificar o cultivo, melhorando as condições do solo para o desenvolvimento e a germinação das sementes.

Desse modo, usar técnicas convencionais podem te ajudar a manter o controle sobre a sua plantação de soja.

Para garantir mais efetividade e qualidade na plantação de soja existem algumas técnicas que auxiliam no preparo do solo, como a gradagem e a aração do solo, bem conhecidas do produtor rural.

Ademais, pequenas atitudes, como escolher o local ideal, também fazem a diferença.

Confira mais estratégias!

Preparar a propriedade

O preparo da terra para cultivo depende não só das características do solo, mas também do modelo e da cultura desejada.

Entretanto, independentemente do tipo de colheita, é necessário retirar os resíduos de plantações anteriores, pois eles podem atrapalhar o desenvolvimento da planta.

Geralmente, o preparo do solo consiste em aração do solo, realizada logo depois de uma gradagem com um a dois meses de antecedência.

Fortalecendo a terra com adubos

A princípio, o processo de arado funciona como uma espécie de adubação natural.

Entretanto, só essa técnica não é suficiente para maiores resultados.

De maneira idêntica, é preciso potencializar os nutrientes já presentes na terra e a fertilidade por meio de substâncias externas.

Sob o mesmo ponto de vista, você pode realizar o cálculo de calagem e de adubação para ações mais eficientes.

Plantio

Em seguida, é o momento de fazer o plantio (semeadura) das sementes de soja.

Devem ser cavadas pequenas covas e, nelas, postas até três sementes.

No entanto, em plantios de grande porte, existem fileiras com até 30 sementes por linha ou metro linear.

A capacidade máxima de uma fileira é 25 plantas.

Irrigação

Mesmo em áreas do país nas quais os períodos de chuvas sejam mais bem definidos, não é indicado fazer o plantio da soja confiando apenas nas ações da natureza.

Assim, a irrigação deve ser realizada, a fim de manter a plantação hidratada. 

Com isso, mesmo em solos mais secos, o produtor consegue ter condições favoráveis ao plantio.

Porém, deve-se considerar o tamanho da propriedade. 

Entretanto, essa estratégia deve ser implementada assim que terminado o plantio, para evitar que as sementes percam a qualidade devido à temperatura do solo.

Qual é a importância da umidade para plantação de soja?

Nesse meio tempo, assim como utilizar estratégias de preparo do solo, também é importante verificar os níveis de umidade e temperatura da propriedade.

É mais seguro para a plantação estar em um solo úmido do que em solo seco.

Desse modo, é preciso ter atenção às previsões de chuvas para a região.

Posteriormente, deve-se fornecer um ambiente que amplie a capacidade de absorção das sementes, melhorando o contato e a troca de nutrientes entre solo e planta, ainda em estágio inicial.

Conforme esclarece a Embrapa, a temperatura mais adequada está em torno de 20 °C e 30 °C.

Contudo, o ideal para germinação rápida e uniforme é, em média, 25 °C.

Por fim, em temperaturas inferiores a 18 °C, a plantação de soja pode sofrer uma redução brusca em sua capacidade de germinação, além de tornar esse processo natural mais tardio e lento.

Por que conferir a profundidade da plantação de soja?

Em síntese, um dos principais fatores que vai determinar o sucesso ou fracasso da sua plantação de soja é o tipo de maquinário utilizado.

Logo, o dosador de semente, o limitador de profundidade e o compactador de camadas de terra (sulco) presentes na máquina semeadora são peças fundamentais para o processo.

Isso porque eles garantem maior uniformidade na distribuição e profundidade das sementes ao longo da propriedade e facilitam o processo de cobertura e contato com o solo.

A profundidade indicada para o cultivo de soja é entre 3 e 5 cm.

Em solos arenosos, sujeitos a assoreamento e compactação superficial do solo, atingir tal medida não é uma tarefa tão simples.

Qual é o impacto do espaçamento na plantação de soja?

De modo geral, uma simples variação de espaçamento entre fileiras e peso das sementes pode ocasionar mudanças na produtividade dos grãos, além de influenciar diretamente a altura da planta, o volume do caule, o número de vagens e o peso médio das sementes por plantas.

Eventualmente, um maior espaçamento diminui a altura e interfere na inserção da primeira vagem e o grau de acamamento.

Como resultado, aumenta-se o número de ramificações e vagens. Isso é percebido no aumento de peso das sementes e, consequentemente, no aumento da produção.

Em conclusão, em solos mais férteis, a quantidade de plantas por hectare pode ser de até 240 mil em novembro.

Por outro lado, plantios realizados entre outubro ou dezembro não apresentam porte alto.

Para evitar o desenvolvimento de plantas muito baixas, o recomendável é não diminuir para menos de 300 mil o número de plantas por hectare.

Como saber o tempo de colheita da plantação de soja?

Para saber o momento ideal para colheita da soja, é aconselhável analisar a maturidade fisiológica da plantação.

Nesse sentido, o teor de umidade indicado é de 13% a 15%.

Entretanto, para evitar perdas, o processo deve ser realizado por colheitadeiras profissionais.

Após a colheita, de forma natural, os grãos de soja precisam ser secos.

No entanto, caso a soja atinja a sua maturidade com o teor de umidade entre 30% e 65%, torna-se impossível fazer uma colheita mecânica de qualidade.

Por outro lado, mesmo que a calibragem e a regulagem da colhedora permitam fazer colheitas com teores acima de 15%, o recomendável é que prossigam as propriedades com estrutura pós-colheita que suportem fazer uma secagem artificial da massa.

Isso deve ser feito antes de começar o armazenamento ou a comercialização dos grãos.

Do contrário, a soja deve permanecer no campo, onde vai ficar sujeita a ataques que podem prejudicar sua qualidade.

Também ficará sujeita a alta umidade relativa do ar, altas temperaturas, orvalho, chuvas e até infecções ocasionadas por fungos.

Conclusão

Em suma, ações de monitoramento do plantio são fundamentais para evitar eventuais problemas que possam prejudicar o bom desenvolvimento da plantação de soja.

O objetivo é combater os ataques de pragas, plantas daninhas, entre outras adversidades que possam surgir.

Uma última dica é utilizar sistemas de softwares para ajudar no controle mais eficiente e preciso da propriedade.

Assim, as chances de ocorrerem perdas ou grandes prejuízos podem ser minimizadas, ou exterminadas totalmente.

 …

Gostou do nosso artigo?

Porém, ao acabar de ler, ficou se perguntando onde você pode encontrar os melhores produtos agrícolas do mercado para a sua lavoura?

Pois bem! Nem precisa dar um “Google”.

Converse com nossos especialistas!

Procurando um tema específico?

Gostou do artigo?

Receba gratuitamente conteúdos exclusivos e inéditos por e-mail, feitos pelos especialistas da TerraMagna.

Veja também

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Crédito seguro para o agronegócio

Av. Anchieta, 1078 – Jd Nova America

São José dos Campos – SP

Contato

 (12) 3923.3355

 [email protected]

(65) 9 9639.1505

Acompanhe as novidades