A operação de barter é uma prática indispensável no agronegócio brasileiro. Mesmo sendo um importante viabilizador comercial, esse tipo de negociação, onde o produtor entrega parte da sua futura colheita como pagamento da compra de insumos, pode trazer riscos para o distribuidor.

Entre as diversas causas que podem gerar prejuízos em relação ao recebimento de uma garantia, podemos destacar:

  • Área cultivável menor que a do acordo;
  • Área de pastagem ou de primeiro plantio;
  • Ausência de plantio na área da garantia;
  • Desvio de grãos.

 

Felizmente, tecnologias como a do monitoramento via satélite trazem soluções práticas para todos esses problemas.

Como resolver essas questões

Os primeiros fatores podem ser observados antes mesmo que a CPR (Cédula de Produto Rural), documento que oficializa a operação de barter, seja formalizada.

Com o uso da tecnologia é possível verificar se a área que está sendo acordada equivale a área disponível na fazenda do produtor. Uma das questões que limitam o uso de uma área é o compliance socioambiental, que falei em um artigo anterior. Se a área for menor que a indicada, é possível agregar áreas complementares ou optar por se fazer uma CPR de menor valor.

Através da análise histórica do local, também é possível observar se essa área é de pastagem ou de primeiro plantio. Isso significa que, mesmo que seja efetivamente cultivada, os custos de produção poderão ser maiores devido à necessidade de mais insumos, como fertilizantes, e a produção pode ser menor que a média. Ou seja, o cálculo de rendimento nesse caso é diferente.

Uma vez verificada a área, podemos seguir para o início da safra. A ausência de plantio em uma área de garantia também é uma questão que pode enganar até mesmo os negociantes mais experientes. Isso porque, muitas vezes, o distribuidor envia um agrônomo ou profissional especializado para fazer uma visita a campo quando a safra está para começar. O problema é que, trabalhando com um sistema de amostragem é humanamente impossível um único profissional fazer a checagem de centenas de hectares em poucos dias, muitas vezes é observada apenas uma pequena parcela da garantia. Com o uso de satélites é possível, em poucos minutos, visualizar toda uma área e checar se ela está plantada.

Por fim, no final da safra, um dos momentos onde a ação imediata se torna essencial é na entrega dos grãos. Pode acontecer uma antecipação da colheita e, caso haja um desvio, ou seja, os grãos da sua garantia sejam entregues para um lugar diferente do combinado, a dívida pode se estender. Nesse caso, com o monitoramento constante e ação ativa, quando necessário, o arresto pode ser acionado baseado em laudos comprobatórios, imediatamente após a colheita começar, mesmo que você não saiba que ela está acontecendo.

Garantindo o barter

Mesmo na inadimplência de apenas uma garantia, devido ao volume financeiro em questão, uma distribuidora pode ter a situação financeira abalada e até mesmo ir à falência. A tecnologia apoia os distribuidores para juntos, garantirem a segurança e a sustentabilidade das operações no agro.