TerraMagna Logo
Portal do
produtor rural
Pulverizador aplicando o herbicida na lavoura

Herbicida: o aliado nas plantações para reduzir as plantas daninhas

O herbicida é conhecido e recomendado para o controle das plantas daninhas nas plantações.

Existem várias versões de herbicidas disponíveis no mercado, e a aplicação pode ser muito positiva para as lavouras. 

No entanto, o manuseio desses agroquímicos requer cuidado e responsabilidade, visto que podem afetar as culturas ou gerar resistência das plantas daninhas a eles.

Assim, é essencial que você entenda o mecanismo de ação de cada tipo herbicida, como funciona e como aplicá-lo da melhor forma na lavoura.

Preparamos um artigo completo que servirá como um guia básico com tudo o que você precisa saber sobre os herbicidas. Vamos lá?

O que é um herbicida? 

Herbicida é um agente biológico ou químico capaz de matar ou suprimir o crescimento de espécies que causam danos às plantações. 

É muito comum que plantas indesejadas e prejudiciais cresçam em meio à plantação e acabem afetando o crescimento e o rendimento das culturas.

Além disso, elas comumente trazem transtornos na colheita e na venda dos produtos, que podem perder a qualidade em comparação com outras culturas que estão saudáveis.

Quando o espaço é pequeno, como uma horta, é possível tentar controlar a infestação tirando-as manualmente. Porém, em casos mais graves e em ambientes maiores, apenas os herbicidas podem ser eficazes contra o problema.

Como o herbicida funciona?

Segundo a Embrapa, existem muitos trabalhos sendo realizados no Brasil envolvendo fungos patogênicos das espécies daninhas, com resultados promissores. 

Um exemplo de agentes biológicos são os fungos e outros microrganismos, enquanto as substâncias químicas são orgânicas, envolvendo a maioria dos herbicidas utilizados atualmente.

Já os produtos inorgânicos são os utilizados para controle de plantas daninhas no passado, como o NaCl e o H2SO4

Para ser considerado eficaz, o herbicida aplicado às folhas de plantas daninhas deve cumprir os seguintes pontos: 

  • ser retido pela folhagem; 
  • penetrar/ultrapassar a cutícula da planta; 
  • mover-se nos espaços com água ao redor da célula; 
  • entrar na célula, passando através da membrana celular; 
  • atingir o local de ação, geralmente uma enzima; 
  • ligar-se à espécie-alvo e inibi-la.

Quais são as vantagens e desvantagens de um herbicida?

Segundo a Embrapa, as perdas estimadas causadas pelas plantas daninhas podem chegar a mais de 90% caso nenhum controle seja realizado.

Por isso, usar um herbicida é essencial, pois ele consegue inibir o crescimento dessas plantas. Além desse ponto positivo, vamos citar algumas outras vantagens e desvantagens:

Vantagens

  • o herbicida previne a interferência precoce das daninhas;
  • tem controle efetivo nas linhas de semeadura;
  • é flexível quanto à época de aplicação;
  • pode ser aplicado em áreas extensas;
  • auxilia na redução do tráfego de máquinas;
  • tem um rendimento operacional elevado;
  • exige uma menor necessidade de mão de obra. 

Desvantagens

  • é necessário o uso de equipamentos adequados, o que é um investimento elevado;
  • é preciso mão de obra capacitada; a falta de capacitação de funcionários e produtores induz a uma aplicação problemática;
  • qualquer herbicida apresenta algum nível de toxidez para o ser humano e para o ambiente;
  • o herbicida pode permanecer no ambiente por um longo período, podendo causar prejuízos a plantações cultivadas em rotação.

Como um herbicida se classifica?

Os herbicidas são classificados de acordo com determinadas características.

Assim, é possível estabelecer grupos afins com base em seletividade, época de aplicação, translocação, estrutura química e mecanismo de ação. As classificações são: 

Seletividade dos herbicidas

Seletivos

Os herbicidas seletivos são aqueles que, sob algumas condições, são mais tolerados por determinadas espécies ou variedades de culturas do que por outras. 

Ex.: 2,4-D é mais tolerado para cana-de-açúcar; atrazine para o milho; fomesafen para o feijão; imazethapyr para a soja, entre outros.

Vale ressaltar que a seletividade é sempre relativa, pois depende do estádio de desenvolvimento das plantas, das condições climáticas, do tipo de solo, da dose aplicada, e vários outros pontos.

Não seletivos

Os herbicidas não seletivos são aqueles que atuam indiscriminadamente sobre todas as espécies de plantas. 

Ex.: diquat, praquat, glyphosate. Normalmente, são recomendados para uso como dessecantes ou em aplicações dirigidas.  

Vale destacar que, por meio da biotecnologia, é possível fransformar um herbicida não seletivo em seletivo para determinado biótipo de uma espécie, como a soja transgênica resistente ao glyphosate.

Época de aplicação de um herbicida 

Outra forma de classificar um herbicida é pelas épocas de aplicação. São elas:

Pré-plantio

Também chamada de pré-plantio incorporado (PPI). Os herbicidas aplicados nessa época têm a finalidade de controlar a população inicial de plantas daninhas. 

A maioria são produtos não seletivos para a cultura, produtos voláteis, de curto residual, sendo muito utilizados como dessecantes.

Pós-plantio

Os herbicidas aplicados pós-plantio são aqueles cuja pulverização ocorre após a emergência das plantas daninhas e o plantio da cultura. Assim, a aplicação do herbicida tem objetivo foliar em relação às espécies infestantes. 

Desse modo, é importante que a cultura da lavoura tenha boa tolerância à exposição direta do produto. 

Translocação dos herbicidas

Nessa classificação, um herbicida é categorizado quanto à translocação. Esse termo se refere ao modo como ocorre o deslocamento da substância ao interior da planta.

Existem dois tipos de herbicidas de translocação:

Herbicida de contato

O herbicida é de contato quando atua no local onde penetra nas plantas ou próximo dele, por exemplo: paraquat, diquat, lactofen, etc.

O fato de um herbicida entrar em contato com a planta não é suficiente para que ele exerça sua ação tóxica. 

Ele precisa entrar no tecido da planta, atingir a célula e depois a organela, na qual atuará para que seus efeitos possam ser observados.

Herbicida sistêmicos

Um herbicida também pode se movimentar nas plantas pelo xilema, pelo floema ou por ambos. 

Quando o movimento do herbicida é via floema ou floema e xilema, ele é considerado sistêmico.

Esse tipo de herbicida é capaz de se movimentar em grandes distâncias na planta, como é o caso de 2,4-D, glyphosate, imazethapyr, flazasulfuron, nicosulfuron, picloram, etc.

Mecanismo de ação do herbicida

Nessa categoria, a divisão do herbicida tem como base a forma como ocorre o primeiro evento metabólico das plantas após a aplicação do produto; isso se chama mecanismo de ação.

Para compreender melhor essa classificação, vamos primeiro entender o que é modo de ação.

Modo de ação é o conjunto de eventos metabólicos decorrentes da aplicação dos herbicidas na planta. 

Desse modo, a primeira lesão bioquímica ou biofísica que resulta na morte da espécie daninha ou ação final do produto é considerada mecanismo de ação.

É importante lembrar que um mesmo herbicida pode influenciar vários processos metabólicos na planta; no entanto, é a primeira lesão que ele causa na planta que caracteriza o seu mecanismo de ação. 

O mecanismo de cada herbicida é:

Herbicida auxínico

Os herbicidas auxínicos, quando aplicados em plantas sensíveis, causam mudanças metabólicas e bioquímicas, podendo levá-las à morte.

Esses produtos interferem na ação da enzima RNA-polimerase e, depois, na síntese de ácidos nucleicos e proteínas. 

Herbicidas inibidores do fotossistema I

Esse tipo de herbicida tem a capacidade de captar elétrons provenientes da fotossíntese (no fotossistema I) e formar radicais livres.

Esses radicais são instáveis e rapidamente sofrem oxidação. Durante o processo de
auto-oxidação, são produzidos radicais de superóxidos.

Estes sofrem o processo de dismutação, para formarem o peróxido de hidrogênio e, assim, inibirem as daninhas.

Herbicidas inibidores do fotossistema II       

Esses herbicidas se ligam à proteína D-1 e impedem o fluxo de elétrons e a transformação da energia luminosa em ATP e NADPH

São necessários para fixação do CO2 e o crescimento das plantas.

Herbicidas inibidores da PPO

Atuam por necrose foliar da planta tratada em pós-emergência, após 4-6 horas de luz solar.

Os primeiros sintomas são manchas verde-escuras nas folhas, dando a impressão de que estão encharcadas pelo rompimento da membrana celular e derramamento de líquido. Depois desses, sintomas segue-se a necrose. 

Herbicidas inibidores do arranjo dos microtúbulos

Esse tipo de herbicida inibe o crescimento da radícula e a formação das raízes secundárias. 

São eficientes apenas no uso pré-emergência, porque a sua ação principal é o impedimento da formação do sistema radicular das plantas.

Que cuidados devem ser tomados com um herbicida?   

O herbicida, como qualquer pesticida ou agrotóxico, deve ser usado com cuidado e segurança para não prejudicar o ambiente nem a saúde de quem aplica.

A toxicidade pode ser imediata ou crônica. Para proteger-se dos efeitos desses produtos, que podem ser de elevada toxicidade, observe as seguintes medidas preventivas:

  • leia com atenção as instruções do rótulo antes de abrir a embalagem; verifique as particularidades e a classe toxicológica;
  • não derrame o produto, nem coma, beba e fume durante o manuseio dos herbicidas;
  • aplique sempre a favor do vento e quando este estiver com baixa velocidade;
  • sempre utilize os equipamentos de proteção (máscaras, luvas, macacão, botas especiais, etc.); 
  • sempre use camisa de manga comprida e não lave o pulverizador em córregos ou nascentes;
  • tenha pulverizadores próprios e evite usar os que foram empregados com herbicidas hormonais, como o 2,4,5-T, na cultura do algodão;
  • descarte adequadamente as embalagens para evitar que sejam usadas pela população para colocar água e alimentos.

Invista na proteção das suas culturas

Como você viu ao longo deste artigo, o herbicida é um auxiliar na segurança da sua plantação, pois mantém as espécies prejudiciais longe.

O investimento nos herbicidas pode te ajudar a ter fazendas cada vez mais ricas e produtivas. 

Se você quer auxílio nessa jornada com a escolha do herbicida certo e com a produtividade em campo, a TerraMagna pode te ajudar com isso! 

Nossa tecnologia permite conceder crédito para distribuidores e produtores de forma mais rápida e com taxas mais justas assim, você pode conseguir obter recursos para investir nos seus objetivos em campo!

Quer saber mais? Converse com nossos especialistas!

Procurando um tema específico?

Gostou do artigo?

Receba gratuitamente conteúdos exclusivos e inéditos por e-mail, feitos pelos especialistas da TerraMagna.

Veja também

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Crédito seguro para o agronegócio

Av. Anchieta, 1078 – Jd Nova America

São José dos Campos – SP

Contato

 (12) 3923.3355

 [email protected]

(65) 9 9639.1505

Acompanhe as novidades