TerraMagna Logo
Portal do
produtor rural
Solo seco e rachado representando a erosao do solo

Erosão do solo: saiba como combater essa ameaça à produção agrícola

A erosão do solo é uma ameaça ambiental, além de trazer enormes prejuízos à atividade agrícola, com efeitos colaterais diretos na crise climática e na segurança alimentar.

De acordo com a Embrapa, a erosão em solo agrícola e de pastagem intensiva gera um alto custo anual de fertilizantes para substituir os nutrientes perdidos que chega à casa de
US$ 150 bilhões.

Isso sem contar as perdas na produtividade, o que compromete as colheitas, além, é claro, de reduzir a qualidade dos grãos, dependendo da quantidade de nutriente perdido.

Neste artigo, a gente te explica detalhadamente como a erosão do solo ocorre, os tipos de erosão, principais consequências e como evitar problemas à agricultura; confira!

O que é a erosão do solo?

A erosão do solo é um deslocamento de terra que ocorre de um lugar para outro. 

O processo erosivo na natureza acontece por diferentes razões, como sol, vento e especialmente a água da chuva. 

No entanto, práticas de agricultura inadequadas podem contribuir para o agravamento do problema; entre elas estão desmatamento, queimadas, monocultura e uso excessivo de fertilizantes.

Um ponto de atenção é que a erosão também depende de características físicas, químicas e biológicas de cada solo. 

Desse modo, solos arenosos estão mais propensos a sofrer com a erosão, favorecendo o trabalho das águas. 

Por outro lado, solos mais estruturados, com volume alto de macroporos, facilmente permeáveis, ajudam na retenção da água, o que reduz o escoamento superficial e evita o processo erosivo. 

Quais são os principais tipos de erosão do solo?

A erosão do solo pode acontecer por diversos fatores, como já mencionamos; por isso mesmo, ela pode se apresentar de maneiras distintas. 

Logo, vale a pena conhecer melhor alguns tipos de erosão até mesmo para saber
identificá-la!

Erosão do solo tipo pluvial

A erosão pluvial é causada pelas chuvas. Quando pouco intensas, ela faz apenas uma “lavagem” dos solos, mas, em grandes proporções, provoca alterações mais intensas. 

Em solos sem vegetação, os efeitos da erosão pluvial costumam ser mais graves, provocando sulcos profundos na área, por exemplo. 

Erosão fluvial

Já a erosão fluvial é causada pela água proveniente dos rios, o que transforma o seu curso em vales profundos em seu entorno. 

Se não existir vegetação na margem, ela também acaba sofrendo com a ação da água, intensificando processos como assoreamento e alargamento das bacias de drenagem. 

Erosão marinha

Como o próprio nome sugere, a erosão marinha acontece pela ação da água do mar, o que, consequentemente, a leva a ser comum em locais litorâneos. 

Há um desgaste de rochas e solos litorâneos, contribuindo para a formação de falésias, por exemplo.

Erosão eólica

A erosão eólica é causada pela ação dos ventos, provocando intemperismo das rochas e atuando no transporte de sedimentos para áreas mais distantes. 

Tal processo costuma ser mais lento quando comparado a outros que envolvem a água.

Erosão glacial

Esse tipo de erosão envolve o congelamento de solos e a sua movimentação em blocos. 

No entanto, a erosão glacial também é conhecida por atuar no congelamento da água e provoca mudanças na composição e disposição de rochas e solos. 

Erosão gravitacional

A erosão gravitacional costuma ser comum em localidades muito inclinadas, como em cadeias montanhosas. 

Ela causa a ruptura e o transporte de sedimentos graças à ação da gravidade, levando os sedimentos dos pontos mais altos para os mais baixos.

Principais consequências da erosão do solo

Quando a erosão do solo ocorre em altos índices, uma série de impactos vêm junto, trazendo consequências de ordem econômica e ambiental, muitas vezes ao mesmo tempo. 

O solo perdido conta com água e nutrientes, e, apesar de a água ser um dos agentes de transporte de partículas, ela é crucial para o desenvolvimento de plantas. 

Logo, o solo precisa armazená-la até mesmo para reduzir a chance de erosão.

Como dissemos, nutrientes também são levados, entre os quais estão o fósforo e o potássio; vale destacar que ambos são indispensáveis para as plantas.

Enquanto o fósforo é um macronutriente primário, sendo responsável pelo desenvolvimento e crescimento das culturas, o potássio ajuda no alcance da alta produtividade da lavoura, sendo o elemento mais requerido pelas plantas, ficando atrás apenas do nitrogênio.

A perda desses nutrientes prejudica não só as plantas, que sofrem para se desenvolver, mas também leva problemas para outros ambientes como os rios. 

O aumento do elemento nas bacias hidrográficas estimula o crescimento de algas, que, por sua vez, podem levar à redução na concentração de oxigênio na água, impossibilitando a vida de peixes e outros seres aeróbicos. 

A erosão também pode levar defensivos agrícolas e adubos até os corpos de água, provocando o desequilíbrio na biodiversidade desses ecossistemas.

Outro problema é que, a partir do momento em que as partículas de erosão do solo passam a estar presentes na água, há o risco de contaminação dela, o que a torna imprópria para consumo.

Outro problema causado pela erosão do solo é o assoreamento dos rios, que é o depósito e acúmulo de partículas em corpos hídricos. 

O processo é capaz, inclusive, de agravar enchentes em períodos nos quais as chuvas se tornam mais intensas, levando a prejuízos não só para o produtor rural, mas a toda a comunidade.

Como evitar a erosão do solo e os seus prejuízos?

A erosão do solo na agricultura, por exemplo, pode levar à perda de produtividade, ao desenvolvimento de plantas mais fracas e a outros problemas. 

O ponto aqui é: como evitar que a erosão do solo aconteça e prejudique a lavoura? Nos tópicos a seguir, você vai descobrir!

Diminuição no revolvimento da terra

O revolvimento da terra consiste em inverter as camadas do solo com o uso de arado para que o plantio seja feito. 

Em países de clima tropical, como é o caso do Brasil, mexer excessivamente na terra pode prejudicar a saúde do solo, tornando-o propício para a erosão.

O procedimento é indicado em regiões frias, nas quais o solo precisa ser revirado para a obtenção da quantidade de calor necessária.

Uso da palhada

A palhada é uma matéria orgânica composta de restos de plantas colhidas; a máquina colheitadeira retira a planta da terra e separa os grãos. 

Assim, galhos, folhas e raízes são triturados e voltam ao solo por meio da pulverização; ambos os processos acontecem de forma simultânea. 

A cobertura de palhada ajuda a diminuir o impacto da chuva na superfície do solo, agindo como obstáculo ao excesso de água. Consequentemente, impede-se o transporte e o arrastamento de partículas em caso de chuvas em excesso. 

Reflorestamento da área

Em caso de áreas desmatadas, o reflorestamento é a melhor opção para recuperar uma área e evitar que ela sofra com a erosão do solo. 

O processo consiste no plantio de árvores e plantas em locais atingidos pelo desmatamento.

Além do mais, associar esse plantio à adubação verde ajuda a incorporar nutrientes no solo. 

No mais, o reflorestamento, além de recuperar a área, protege a beira de rios, filtra sedimentos, aumenta a porosidade do solo, eleva a disponibilidade de nutrientes, reduz o escoamento superficial, entre outras ações. 

Manejo correto do solo

O manejo costuma ser uma das alternativas mais baratas e eficientes para evitar a erosão do solo, mas para isso é preciso que seja da maneira correta; caso contrário, pode levar à degradação da pastagem.

Entre as ações de manejo, podem ser citadas adubação, manutenção da matéria orgânica, sombreamento e também planejamento da pastagem. 

Por exemplo, quando se trata da adubação do pasto, ela precisa ser feita anualmente a fim de repor os nutrientes e evitar que a produtividade da lavoura seja reduzida.

Rotação de culturas evitam erosão do solo

A rotação de culturas consiste em uma alternância planejada de espécies em uma área determinada de cultivo. 

Isso faz com que haja um período mínimo sem o cultivo da mesma espécie, o que ajuda na redução de impactos ambientais provenientes da monocultura. 

Tal ação ainda ajuda a melhorar as condições físicas, químicas e biológicas do solo em longo prazo, evitando, assim, os processos erosivos. Ademais, diminui-se a incidência de doenças, plantas daninhas e pragas.

Use fertilizantes organominerais

Em se tratando de áreas próprias para a agricultura, o uso de fertilizantes organominerais é uma alternativa excelente para evitar a erosão do solo. 

Isso acontece porque tais produtos atuam diretamente na qualidade do solo, promovendo melhorias em suas propriedades físicas, químicas e biológicas. 

Por ter matéria orgânica em sua composição, ele reduz a densidade aparente do solo, diminuindo os riscos de erosão, especialmente nos solos arenosos. 

Além do mais, o fato de introduzir matéria orgânica, ajuda a agregar partículas no solo, o que torna a absorção e retenção de água melhor, além de contribuir para a redução da perda das camadas superficiais pela erosão.

TerraMagna: a sua parceira de negócios para o cuidado com o solo!

A erosão é um problema que afeta bastante a atividade agrícola, podendo causar prejuízos gigantescos ao produtor. 

Por isso, o uso de técnicas de prevenção é a melhor escolha, de modo que é necessário fazer investimentos. 

Se você precisa de recursos para investir e evitar que esse problema prejudique os produtores rurais que você atende, conte com a TerraMagna! Nós oferecemos soluções de crédito rural para investimento em insumos agrícolas. 

Quer saber mais como funciona a liberação de crédito?

Converse com nossos especialistas!

Procurando um tema específico?

Gostou do artigo?

Receba gratuitamente conteúdos exclusivos e inéditos por e-mail, feitos pelos especialistas da TerraMagna.

Veja também

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Crédito seguro para o agronegócio

Av. Anchieta, 1078 – Jd Nova America

São José dos Campos – SP

Contato

 (12) 3923.3355

 [email protected]

(65) 9 9639.1505

Acompanhe as novidades